sábado, 17 de março de 2018

Aeronáutica


Avro Vulcan





Avro Vulcan é um bombardeiroestratégico de grande autonomia fabricado na Inglaterra pela Avro.


Facilmente identificado por suas asas em delta, foi um dos três modelos do chamado trio mágico da Real Força Aérea, os "V Bombers", sobre o qual repousou por mais tempo a dissuasão nuclear da Inglaterra. Notável bombardeiro tático a baixa altura.


O protótipo efetuou o seu primeiro voo de ensaio em 1952. Mas foi somente em 1957 que a versão B.Mk1 começou a equipar os esquadrões da RAF. O Vulcan deixou o serviço na RAF no início dos anos 80, não antes, porém, de realizar em 1982 sua única missão de combate real: raides extremamente longos com o código "Black Buck", quando bombardearam a pista e as instalações de radar de Port Stanley, durante a Guerra das Malvinas. Durante uma dessas missões, em 3 de junho de 1982, um Vulcan sofre uma pane hidráulica e não consegue efetuar o reabastecimento em voo. Para não cair no mar, invade o espaço aéreo brasileiro sendo escoltado por caças Northrop F-5E Tiger II até o Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, onde faz um pouso de emergência, causando um incidente diplomático entre Argentina, Brasil e Grã Bretanha. Após sete dias retido, o avião é autorizado a retornar à sua base na ilha de Ascensão.


A carreira do Bombardeiro de Vulcan começou com a entrega das primeiras bombas nucleares da Grã-Bretanha e foi construída como parte dos esforços para impedir a Rússia de lançar um ataque.

O último bombardeiro volumoso Vulcan voltado para o Reino Unido levou os céus para um último flypast antes da aposentadoria, O vôo do bombardeiro XH558 sobre sua base no aeroporto Doncaster Robin Hood durou cerca de 20 minutos e
a aeronave foi aterrada depois que os patrocinadores de engenharia, incluindo Rolls Royce, retiraram o suporte .

O piloto do avião era Martin Withers, que liderou uma invasão nas posições argentinas nas Ilhas Falkland pelas aeronaves de Vulcan na guerra de 1982, a única vez que a aeronave já lançou bombas de raiva em seu longo serviço RAF. e logo após o último flypast, o Sr. Withers disse: "Gostei muito do vôo. Está tão triste que deve terminar agora. É como um funeral".

O famoso avião de guerra nuclear da Guerra Fria foi "vítima de seu próprio sucesso".

Richard Clarke, da confiança, disse: "Tem uma conexão emocional muito, muito forte com o público britânico, o que se manifesta pelo fato de que eles se mostram em milhões para vê-la".

Vulcans, que já operava da RAF Waddington em Lincolnshire, viu ação durante a Guerra das Malvinas de 1982 e o último modelo restante deixou o serviço em 1993.

O bombardeiro XH55 foi visto voando por toda a Inglaterra em uma série de flypasts como parte de sua turnê de despedida.



vídeos aviação Topfelya da Inglaterra


sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Aeromoças dormem nos aviões?

                                 Aeromoças dormem nos aviões?







As aeromoças dormem durante vôos longos,...onde? Isso vale até mesmo para os outros funcionários da tripulação, já que ninguém é de ferro.

Mas, onde as aeromoças dormem nos aviões? Em que lugar do avião, as camas são grandes, espaçosas, macias, etc...

Na verdade, eles têm camas sim: alguns modelos de aviões, especialmente os voltados a viagens internacionais, contam com quartos secretos, sabia?

Claro, os quartos das aeromoças não ficam visíveis aos passageiros e  costumam ficar acima das poltronas da primeira classe.  Como as aeromoças têm pouco tempo para descansar e, normalmente, revesam o tempo de serviços com os colegas, esses quartos nos aviões costumam ser bastantes pequenos. Aliás, para sermos sinceros, os quartinhos das aeromoças são claustrofóbicos.

O acesso a eles, claro, é por uma escada, que também fica escondida. As aeromoças sobem os degraus por meio de uma portinhola, que pode ser confundida com qualquer outro armário do avião.

Bom, depois de se espremer entre os degraus da escadinha, você chega a um cômodo mais amplo, com até sete camas e sem nenhuma janela. Como se vê nas fotos, cada leito tem luzes de leitura, ganchos e espelhos. Isso, claro, sem contar os cobertores e travesseiros.



Mas, independente dos modelos de aviões, as camas das aeromoças não são muito largas. Elas têm, em média, 80 cm de largura e 1,80 m de comprimento. Cada uma das camas costuma ser separada por cortinas escuras e pesadas, para criar um ambiente mais escuro e sem ruídos, propício para o descanso, mesmo que rápido.





Fonte:  segredosdomundo.r7.com      Fotos: google.com.br     Vídeo: youtube.com


domingo, 1 de novembro de 2015

OH-58D Kiowa Warrior






                                              Kiowa Warrior











O OH-58 Kiowa é uma família de monomotor, único rotor, helicópteros militares utilizados para observação, utilidade e apoio direto fogo, fabricado pela Bell Helicopter, para o Exército dos Estados UnidosO OH-58 tem sido em uso contínuo pelo Exército dos EUA desde 1969.




O mais recente modelo, o Kiowa OH-58D, é operado principalmente em um papel reconhecimento armado em apoio de tropas terrestres. O OH-58D possui a característica mais marcante da família Kiowa - o mastro Mounted Sight (MMS), que se assemelha a uma bola de praia situado acima do sistema de rotor. Os MMS tem uma plataforma giroestabilizada contendo um sistema de televisão (TVS), um sistema de imagens térmicas (TIS), e uma Faixa de Laser localizador / designador (LRF / D). Esses novos recursos deu a aeronave a capacidade missão adicional de aquisição de alvos e designação de laser tanto durante o dia quanto à noite, e na limitação de visibilidade e condições climáticas adversas.



Provado em combate em todo o mundo, o OH-58D Kiowa oferece tudo o que sua missão exige em um helicóptero scout: dia e alvo noite aquisição de longo alcance, vários armamentos e quando a missão exige capacidades de combate a guerra verdadeiramente excepcionais, o Kiowa OH-58D está sempre pronta para atender a chamada.



Construído para ser na ponta da lança, o Kiowa OH-58D é um dos aviões mais robusto atualmente. Com seu sistema de filtragem de ar altamente eficaz e de seus componentes secos, o Guerreiro Kiowa pode operar em qualquer ambiente.



Com as taxas de disponibilidade da frota em mais de 85% das missões em ambientes mais inóspitos do mundo, não há dúvida de que o Kiowa OH-58D é apoiada por alguns dos melhores mantenedores no exército de hoje.

Fontes: www.scoutsout.com/ en.wikipedia.org Fotos: www.google.com   
Vídeo:  www.youtube.com


domingo, 25 de outubro de 2015

A-29 Super Tucano




                       Embraer EMB-314 Super Tucano









O Embraer EMB-314 Super Tucano é uma aeronave turboélice de ataque leve e treinamento avançado, que incorpora os últimos avanços em aviônicos e armamentos. Concebido para atender aos requisitos operacionais da Força Aérea Brasileira, para uma aeronave de ataque tático, capaz de operar na Amazônia brasileira e em proveito de treinador inicial para pilotos de caça.

Embraer começou a estudar uma nova aeronave turboélice, que atendesse ao interesse crescente de um mercado de treinadores de alto desempenho, no qual veio a culminar no modelo EMB-312H ou Tucano H, denominado assim por poder operar a baixa altura, caçando helicópteros.

Governo brasileiro, foi identificando a necessidade de uma aeronave de ataque, que iria compor o segmento aéreo, responsável pela interceptação de aeronaves ilícitas na região Amazônica e pelo patrulhamento de fronteiras.

Pelas características da região Amazônica, com alta incidência de chuvas, altas temperaturas e umidade elevada e de ameaça (baixa intensidade), foi definido pela Força Aérea Brasileira que a aeronave deveria ser um turboélice, de ataque, com grande autonomia e raio de ação, capaz de operar tanto de dia como a noite, em qualquer condição meteorológica, a partir de pistas curtas e desprovidas de infraestrutura, entre outras.

AFA - Pirassununga/SP

Não se pode falar do Super Tucano, sem  deixar mencionar a mundialmente famosa, "Esquadrilha da Fumaça", hoje, com a pintura tendo os tradicionais verde, azul e amarelo, cores ícones do Brasil. O A-29 Super Tucano, tem um design gráfico que permite uma visualização melhor tanto em terra como no ar.



A bandeira do Brasil foi pintada no leme do A-29 como se estivesse esvoaçando. Outra novidade é que a numeração, que identifica o piloto na esquadrilha, agora fica na lateral da fuselagem e não mais na cauda.

Fontes: http://www.defesaaereanaval.com.br/ pt.wikipedia.org    
Fotos: www.google.com.br Vídeo: www.youtube.com

domingo, 11 de outubro de 2015

Lockheed SR-71 Blackbird





                              

                                                     SR-71 Blackbird








A Lockheed SR-71 "Blackbird" é um um avião de longo alcance, o Mach 3, de reconhecimento estratégico avançado que ficou em serviço com a Força Aérea dos Estados Unidos de 1964 a 1998.

Blackbird - brinquedo

O SR-71 foi projetado para o vôo em mais de Mach 3, com uma tripulação de dois em cockpits em tandem, com o piloto no cockpit da frente e o Reconnaissance Diretor de Sistemas (RSO) monitorar os sistemas de vigilância e equipamentos de cabina do piloto traseiro.

O SR-71 foi projetado para minimizar a sua secção transversal de radares, foi a tentativa inicial de projeto e seu acabamento foi feito em um azul escuro, quase preto, para aumentar a emissão de calor interno e para agir como camuflagem contra o céu noturno. A cor escura levou a sinal de chamada da aeronave "Blackbird".



Sua fuselagem foi feita com ligas de titânio para suportar as altas temperaturas em torno de 200 a 300 graus celsius, causadas pelo atrito com o ar em virtude da alta velocidade alcançada.

Na altitude operacional, o SR-71 conseguia fazer a vigilância de uma superfície de 12.000 km² por hora, o que lhe permitia operar no Vietnã do Norte, na China, na União Soviética, em Cuba ou na Coreia do Norte sem entrar no espaço aéreo respectivo.

Durante missões de reconhecimento o SR-71 era operado em altas velocidades e altitudes. Se era detectado um lançamento do míssil terra-ar, a ação evasivo padrão era simplesmente acelerar e correr mais que o míssil.



Enquanto o SR-71 realizada contramedidas de radar para iludir os esforços de intercepção, sua maior proteção era sua alta velocidade e altitude de cruzeiro que tornava quase invulnerável às armas de seus inimigos. Simplesmente acelerando normalmente seria suficiente para escapar de um míssil terra-ar. Em velocidades sustentadas de Mach 3.2+, o avião foi mais rápido do que o interceptor da União Soviética, o Mikoyan-Gurevich MiG-25.  Durante sua vida útil, não SR-71 foi derrubado.



Fontes: www.milto.net/ pt.wikipedia.org   Fotos: www.google.com.br  Vídeo: www.youtube.com

domingo, 4 de outubro de 2015

Lockheed C-130 Hercules





                                                    C-130 Hercules









O Lockheed C-130 Hercules é um avião com quatro turbopropulsores cuja função principal é a de transporte aéreo em várias forças armadas em todo o mundo. Capaz de aterrar ou descolar em pistas pequenas ou improvisadas, foi concebido com o intuito de transporte de tropas e carga. Atualmente desempenha uma larga gama de papeis, incluindo transporte de pára-quedistas, reconhecimento climatérico, reabastecimento aéreo, combate aéreo a incêndios e evacuação médica. Existem mais de 40 modelos do Hercules utilizados em mais de 50 nações. Com mais de 50 anos de serviço, a família C-130 estabeleceu um sólido recorde de confiabilidade e durabilidade, participando em missões militares, civis e de ajuda humanitária.

Cockpit C 130